SOBRE O VÍDEO DA “ATUALIZAÇÃO DA BÍBLIA” - Chamado ao Evangelho

Recentes

domingo, 1 de novembro de 2020

SOBRE O VÍDEO DA “ATUALIZAÇÃO DA BÍBLIA”



Recentemente, foi divulgado nas redes sociais um vídeo onde um pastor propõe uma “atualização da Bíblia” para atender às demandas impostas pela sociedade de hoje. Ele afirma que o texto bíblico em si é “insuficiente”, inclusive não podendo ser seguido literalmente sob o prejuízo de promover, por exemplo, conforme seu entendimento, escravidão e machismo. De acordo com esse irmão, é preciso que busquemos uma interpretação não objetiva do texto bíblico, uma interpretação escondida nas suas “entrelinhas” e que se adeque às demandas hodiernas, como, por exemplo, as “questões de gênero” e o homossexualismo. Bem, esse episódio não me surpreendeu em absolutamente nada.


Quem leu meu livro “A Sedução das Novas Teologias” (CPAD), lançado em 2007, já sabia que tais ideias estavam sendo gestadas e implementadas há muito tempo pelos teólogos da chamada “esquerda evangélica” dos Estados Unidos. Leiam os capítulos 3 (“A Teologia Narrativa e a desconstrução da Bíblia”), 4 (“O que é uma contextualização sadia?”) e 5 (“Ortodoxia Generosa: um novo nome para heterodoxia”) do meu livro e encontrarão tudo lá sobre essas ideias sugeridas no vídeo, anunciado e explicado em detalhes com mais de dez anos de antecedência (pp. 78-84 e 88-138). Pois bem, o que me motivou a escrever esse livro há 13 anos? Foi ver exatamente alguns pastores de destaque no meio evangélico nacional daquela época que afirmavam na internet – isso 15 anos atrás – estar lendo esses autores norte-americanos com especial satisfação e ainda indicavam as obras deles para seus leitores como se estas fossem a quintessência para o cristianismo hodierno.


Esses pastores estavam confessadamente bebendo, fascinados, esse tipo de ensino e ainda escreviam, em seus concorridos blog e website, artigos que reproduziam essas ideias, introduzindo-as entre os seus leitores e seguidores no Brasil. Como eu havia lido esses autores também e sabia dos problemas desses ensinos, resolvi escrever um livro tratando disso. Em meio à preparação da obra, ainda veria a edição em português do livro “Uma Ortodoxia Generosa”, de Brian McLaren, sendo incensada e premiada em nossas plagas, o que me causou mais preocupação. O prefácio da obra de McLaren em português era, inclusive, de um desses pastores.


Escrevi as 300 páginas de “A Sedução das Novas Teologias” em meu primeiro laptop (usado) em apenas dois meses e meio – em saguões de aeroportos (entre uma viagem e outra para pregar), em quartos de hotel e nos momentos de folga em casa. Na época, pelo respeito que tinha a esses irmãos apesar dos equívocos que defendiam, não mencionei em minha obra o nome de nenhum brasileiro adepto das ideias tratadas no livro (igreja emergente, teísmo aberto, teologia narrativa [em sua acepção herética], hermenêutica pós-moderna, ortodoxia generosa etc). Falei só dos seus proponentes lá fora (o que é inevitável) e ressaltei os erros desses ensinos e propostas. Minha ideia nunca foi atacar pessoas, mas apenas rebater ensinos equivocados.


Então, para minha surpresa, a mesma entidade que premiara a obra “Uma Ortodoxia Generosa” em 2007 premiaria também a minha obra “A Sedução das Novas Teologias” no ano seguinte (2008) como a melhor obra de apologética cristã lançada no país naquele ano, justamente uma obra que, em um de seus capítulos, dedica dezenas de páginas para rebater a referida obra de McLaren. Pela graça do Senhor, essa minha obra foi a primeira no país a tratar desses assuntos – aliás, a primeira a tratar de teologia pós-moderna como um todo. Antes, você tinha no Brasil textos aqui e acolá tratando de um ou outro ensino desses, mas livro ainda não. Depois, porém, seriam publicados vários excelentes títulos em português sobre teologia pós-moderna, a maioria deles traduções de obras lá de fora. Estamos já muito bem servidos.


Meses depois do lançamento de “A Sedução das Novas Teologias”, soube que alguns membros da igreja de um desses pastores (das congregações dele no Nordeste) leram meu livro e passaram a discordar dos posicionamentos de seu líder, resolvendo sair da igreja e fundar outra, levando boa parte dos membros consigo. Isso aconteceu há mais de dez anos. Inclusive, chegaram a lançar na época um blog onde inicialmente recomendavam meu livro para leitura contra os ensinos desse pastor. Não tive contato pessoal com nenhum desses irmãos e nem imaginava que a coisa chegaria a tanto. Soube apenas pela internet sobre o que tinha acontecido. Naquele tempo, eu tinha um blog (“Verba Volant Scripta Manent”), onde escrevi regularmente de 2007 a 2010 e recebia mensagens de todo o país. Não tinha outra rede social, o que passaria a ter somente este ano (Entrei no Facebook, no Youtube e no Instagram pela primeira vez há apenas 5 meses. Além da vida muito ocupada, nunca tive muita paciência com redes sociais, preferindo mais gastar meu tempo com a vida real, o dia-a-dia).


Os anos se passaram e soube que esse pastor, diante dos questionamentos que se seguiram aos ensinos que abraçara, resolveu, infelizmente, radicalizar em sua posição, rompendo publicamente com a tradição evangélica. Já o outro irmão fez caminho inverso, negando publicamente defender ensinos que, na verdade, haviam sido expressos em afirmações que ele havia feito antes na internet. Ele até mesmo negou ter defendido algum dia o teísmo aberto, embora textos mais antigos dele deletados há mais de dez anos da internet sugeriam exatamente o contrário (Alguém lembra aqui dos textos do antigo blog “Outro Deus”, e que depois foi apagado por ele da internet e substituído pelo blog mais soft “Outra Espiritualidade”? Estou falando de textos de uns 15 anos atrás). Seja como for, pelo menos ficara feliz em saber que esse irmão aparentemente abandonara alguns desses ensinos. O que importava é que não estava mais ensinando essas coisas.


Mas, o tempo foi passando e, de vez em quando, surgia uma declaração estranha e polêmica aqui, outra ali, e agora mais esta. Lamento saber. Só posso dizer que isso já era sinalizado há mais de dez anos.


SILAS DANIEL 

Nenhum comentário:

Postar um comentário