Cristãos: Odiados, ignorados e oprimidos - Chamado ao Evangelho

Recentes

colocar adsense (apagado)

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Cristãos: Odiados, ignorados e oprimidos

Líder cristão explica que a comunidade muçulmana está conspirando contra os cristãos, na tentativa de aniquilar o cristianismo



O líder cristão Aung*, pede orações e palavras de encorajamento a todos os irmãos. Em fevereiro, sua filha de 16 anos, Meena*, foi tirada dele e forçada a se casar com um homem muçulmano. Há uma semana, ele recebeu uma ligação vinda de um número anônimo e a voz dizia para ele ir à mesquita para confessar seus pecados por ser um seguidor de Jesus Cristo.
Ele foi convidado a se arrepender, pedir perdão e se reintegrar à comunidade muçulmana. O prazo dado ao cristão foi de apenas três dias. No momento, Aung pede a Deus força, pois ele está determinado a não desistir da fé e espera por um milagre que possa tirá-lo dessa situação. Além disso, ele tem recebido outras ligações, mas dessa vez de ameaça. As pessoas próximas estão dizendo que ele não deveria deixar sua filha mais nova, Sara*, sair de casa. Ele responde que ela tem liberdade de sair como todas as garotas.
Para a segurança dela, o pai a enviou para a aldeia de um parente onde ela permanece segura. Aung também se refugiou em outra casa. "Nós somos odiados, ignorados e oprimidos pela comunidade muçulmana", disse ele em uma carta. "Os aldeões islâmicos conspiram contra nós, tanto abertamente quanto secretamente, na tentativa de aniquilar o cristianismo", explica e finaliza o líder.
*Nomes alterados por motivos de segurança.
Pedidos de oração
  • Ore pelos cristãos perseguidos em Mianmar para que permaneçam firmes na fé, apesar das dificuldades.
  • Interceda pela vida e segurança de Aung e sua filha Sara. Ore também por Meena, que foi forçada a se casar com um muçulmano, que o Espírito Santo possa protegê-la.
  • Peça que apesar de estarem vivendo tantos conflitos, que o nome de Jesus possa ser glorificado através dessa família.

Fonte oficial: www.portasabertas.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário